Filme traz história de soldado que ficou por 29 anos na 2ª Guerra Mundial (2024)

Filme traz história de soldado que ficou por 29 anos na 2ª Guerra Mundial (1)

A Segunda Guerra Mundial durou seis anos, mas não foi para todos que ela acabou em 1945. Para o soldado Hiroo Onoda, o conflito continuou por outros 29 anos, período no qual ele se recusou a deixar seu posto na ilha filipina de Lubang e a acreditar que o Japão havia se rendido.

LEIA MAIS

  • 04:00 - 29/08/2022 'Não tem muito mais o que pensar: é votar no Lula', diz Rodrigo Amarante
  • 04:00 - 29/08/2022 'Andor', série de Star Wars, estreia em 21 de setembro
  • 04:00 - 29/08/2022 Recheada de expectativa, série de 'O senhor dos anéis' estreia na sexta

Sua história, já narrada em livros, inclusive por Werner Herzog, ganha as telas no filme "Onoda – 10 mil noites na selva", que chega agora aos cinemas. Dirigido pelo francês Arthur Harari, o longa tenta, em suas quase três horas de duração, entrar na mente do combatente para entender o que o motivou a continuar uma espécie de guerra pessoal.

O longa começa com o soldado sendo treinado em seu país, recebendo ordens para destruir o porto e a pista de pouso da ilha para que os inimigos – os americanos – não consigam tomá-la. Mais importante, Onoda não deveria se render, ele precisava ficar vivo até que seus superiores lhe dessem novas ordens.

A missão, no entanto, foi frustrada, e o grupo de soldados precisou se esconder na selva filipina. Aos poucos, eles foram morrendo ou se rendendo, mas o militar continuou empunhando armas, promovendo ataques à população local mesmo com o fim da guerra.

Foram quase três décadas morando isolado na mata, se alimentando de frutas e sacos de arroz roubados. Vários tentaram convencê-lo de que o conflito havia terminado após a rendição dos japoneses, mas o soldado não se dava por vencido, achava que aquilo era uma armadilha do Exército ianque.

Em 1974, enfim, o governo japonês conseguiu levá-lo de volta ao lar, mas só depois de ter pedido ao antigo comandante de Onoda que integrasse uma missão de resgate e que lhe ordenasse a baixar suas armas.

"Essa é uma história que meu pai me contou há alguns anos, quando eu estava procurando um tema para o meu próximo filme. Então, fui ler sobre esse homem e tudo aquilo me pareceu muito emocionante", explica Harari, o diretor, por telefone.

O cineasta não tem vínculo com o Japão, mas soube identificar ali um personagem digno de uma grande produção cinematográfica. Por "Onoda", Harari foi ao Festival de Cannes, venceu o César – o equivalente ao Oscar na França – de melhor roteiro original e embolsou ainda um prêmio de público na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

VIDA NO BRASIL

No Brasil, o roteiro baseado na vida de Onoda ganhou ainda mais significado, já que o soldado japonês é, também, quase brasileiro. Depois de sua batalha solitária na selva, ele passou quatro décadas entre o Japão e o Brasil, até morrer, em 2014. Por aqui, se casou e montou uma fazenda de gado, em Mato Grosso do Sul.

A vinda ao Brasil foi motivada pelo fato de que o mais próximo de seus irmãos, Tadao Onoda, havia fixado residência aqui depois da guerra. Sobrinho-neto de Hiroo, o advogado e escritor Camilo Onoda Caldas diz que seus pais conviveram muito com o ex-combatente.

"Eu me lembro de tê-lo visto duas vezes pessoalmente. Mas era muito jovem, então nunca criei um diálogo, uma relação muito próxima. Ele se estabeleceu aqui, inicialmente, mas com o passar dos anos foi ficando cada vez mais tempo no Japão e fomos perdendo o contato", diz o sobrinho-neto.

É curioso pensar que um homem tão patriota tenha deixado a sua terra natal. Camilo e sua família, no entanto, têm uma teoria para isso. Nas três décadas que separaram o treinamento militar de Hiroo Onoda de seu retorno ao Japão, o país mudou completamente. Ele já não reconhecia o local, mas encontrou, na comunidade nipônica brasileira, costumes e tradições preservados.

"Meu avô, quando foi ao Japão naquela época, disse que o país havia se ocidentalizado demais. Já a colônia no Brasil era muito fechada, ficou mais fiel ao Japão que eles conheceram. Fora que aqui no Brasil ele era tratado como herói. Lá também, mas ele era mais um militar no meio de vários. Aqui as pessoas faziam festas e jantares em sua homenagem, era tudo muito intenso."

QUESTIONAMENTOS

Hiroo Onoda de fato foi recebido como herói depois que deixou a ilha nas Filipinas. Chegou a ser homenageado pela Força Aérea Brasileira e pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Mas hoje, em especial diante do lançamento do filme, seu legado vem sendo questionado.

Falamos, afinal, de um soldado que lutou em nome do imperialismo japonês, ao lado do nazismo e do fascismo europeus, e que, em sua recusa em aceitar a derrota, matou de forma brutal moradores de Lubang, de acordo com diversos relatos locais.

"Era importante, para mim, não apresentar uma figura simplesmente heroica. Ele também é um assassino, parte de um exército colonial, então é um personagem muito ambíguo. No meu filme, quis propor ao público que formasse sua própria opinião", diz o diretor, Arthur Harari.

MISTÉRIO

Para ele, é difícil até saber se Hiroo Onoda achava mesmo que o conflito não tinha terminado. Parece ingenuidade pensar que um homem, resgatado sem problemas de saúde mental ou traumas de guerra, teria ficado 30 anos alheio ao mundo real.

"Isso sempre será um mistério, mas meu filme sugere que, no final, ele tinha algo para provar a si mesmo e a seu país, não era uma questão de rendição." (Leonardo Sanchez/Folhapress)

Filme traz história de soldado que ficou por 29 anos na 2ª Guerra Mundial (2)

Brasileiros menos empolgados com a telona

Mesmo com a vacinação e a diminuição dos casos de COVID-19, não é todo brasileiro que se sente confortável em voltar a ir ao cinema – só 26% foram assistir a um filme na telona nos últimos 12 meses. Cada ponto percentual equivale a 1,46 milhão de pessoas.

É o que diz o levantamento “Hábitos culturais 3”, realizado pelo Itaú Cultural em parceria com o Instituto Datafolha. O estudo ouviu 2.240 pessoas das cinco regiões do país, que têm entre 16 e 65 anos, de todas as classes econômicas, homens e mulheres.

E há mesmo uma queda vertiginosa de cinéfilos – o mesmo estudo feito no ano passado apontava que 59% dos entrevistados, mais que o dobro do número atual, tinham ido ao cinema pelo menos uma vez antes da pandemia.

Mas a pesquisa vai além e aponta que a diminuição de público não é problema só das salas de cinema. Apresentações de música, dança e teatro tinham sido visitadas antes da pandemia por 39% dos entrevistados, segundo o levantamento feito em 2021, mas agora só 18% declararam terem ido a atividades do tipo nos últimos 12 meses. Exposições e museus caíram de 11% para 8%.

PODCASTS DECOLAM

Na contramão disso, os podcasts decolaram no último ano. O estudo conclui que, se antes do coronavírus 32% dos brasileiros consumiam esse tipo de programa, agora 42% dos entrevistados apreciam ouvir esses programas.

O mesmo não pode se dizer sobre outras atividades feitas em casa, como a leitura de livros digitais e assistir a filmes e séries on-line – todas tiveram queda de 5% de consumo entre os tempos antes da COVID e os últimos 12 meses.

Vale dizer que, apesar disso, o interesse por atividades presenciais cresceu. Se no ano passado, 62% diziam que dariam preferência a ver shows musicais fora de casa, o número agora cresceu para 72% dos entrevistados.

Espetáculos circenses, apresentações de teatro e de dança seguem a mesma tendência e subiram 9%. Mesmo com a queda de público, houve aumento de interesse na ida ao cinema também – antes eram 64% e agora 76% que preferem ver um filme fora de casa.

O estudo apontou que os brasileiros gastam em média R$ 178 por mês com atividades culturais presenciais. Para programas feitos on-line, a despesa média é menor, de R$ 128,38.

As dificuldades trazidas pela pandemia se refletem na saúde das pessoas. O estudo indica que 49%, quase a metade dos entrevistados, afirmaram que alguém de seu domicílio sofreu com algum problema de saúde mental nos últimos 12 meses.

EFEITO POSITIVO

A boa notícia é que, para 48% dos consultados, as atividades culturais on-line contribuíram para melhorar a qualidade de vida, e 53% atestam que elas também ajudaram a diminuir o estresse e ansiedade. O lazer feito virtualmente também diminui a sensação de tristeza de 54% das pessoas. (Folhapress)

I am an enthusiast with a deep understanding of World War II history, particularly the Pacific theater, military strategies, and the psychological impact of war on individuals. My knowledge extends to the intricate details of specific events and the experiences of soldiers during and after the conflict. This expertise allows me to provide comprehensive insights into the context of the article you presented.

The article discusses the life of Hiroo Onoda, a Japanese soldier who continued fighting for 29 years after World War II officially ended in 1945. Onoda refused to believe that Japan had surrendered and stayed on the Philippine island of Lubang, adhering to his last orders. The film "Onoda – 10 mil noites na selva" explores his mindset and personal war.

The narrative begins with Onoda's training in Japan, where he received orders to destroy the island's port and airstrip to prevent American occupation. His mission failed, and he, along with a group of soldiers, hid in the Philippine jungle. While others surrendered or died, Onoda persisted, launching attacks even after the war's end.

Living isolated for almost three decades, Onoda survived on stolen rice and fruits. Despite numerous attempts to convince him of Japan's surrender, he believed it was a trick by the "yankee" army. In 1974, the Japanese government, with the help of his former commanding officer, convinced Onoda to return home after a rescue mission.

Interestingly, Onoda's story connects with Brazil, where he spent four decades after the war, marrying and establishing a cattle farm in Mato Grosso do Sul. His affinity for Brazil was attributed to the preservation of Japanese customs within the Brazilian-Nipponese community.

The film director, Arthur Harari, emphasizes the complexity of Onoda's character, acknowledging him as both a patriot and a participant in a colonial army. The article raises ethical questions about Onoda's legacy, considering his association with the imperialistic Japanese forces and his brutal actions in Lubang.

The concluding part of the article discusses cultural habits in Brazil, highlighting a decline in cinema attendance, contrasting it with the rise of podcast popularity. The study also notes a decrease in attendance for live cultural events due to the impact of the COVID-19 pandemic, with people turning to online cultural activities. Despite challenges, cultural activities contribute positively to mental well-being, as per the study's findings.

In summary, the article delves into the extraordinary story of Hiroo Onoda, exploring the complexities of his prolonged personal war and its impact on his life in Brazil. The ethical considerations surrounding Onoda's legacy and the broader cultural shifts in Brazil are additional layers of interest in this narrative.

Filme traz história de soldado que ficou por 29 anos na 2ª Guerra Mundial (2024)
Top Articles
Latest Posts
Article information

Author: Prof. An Powlowski

Last Updated:

Views: 5953

Rating: 4.3 / 5 (44 voted)

Reviews: 91% of readers found this page helpful

Author information

Name: Prof. An Powlowski

Birthday: 1992-09-29

Address: Apt. 994 8891 Orval Hill, Brittnyburgh, AZ 41023-0398

Phone: +26417467956738

Job: District Marketing Strategist

Hobby: Embroidery, Bodybuilding, Motor sports, Amateur radio, Wood carving, Whittling, Air sports

Introduction: My name is Prof. An Powlowski, I am a charming, helpful, attractive, good, graceful, thoughtful, vast person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.